Chega de indecisão sobre o registro da marca para atuar no Metaverso


Sim, concordo, é desafiador acompanhar toda a evolução tecnológica dos últimos tempos, inclusive porque temos a impressão de que a pandemia adiantou décadas. Mas acredite, isso é positivo e a sociedade precisa se ambientar e se conectar ao novo. O mundo virtual exige que você conheça, estude, discuta e se posicione, valendo para os titulares de criações, especialmente dos registros de marcas. As marcas são as responsáveis por comunicar anseios e afinidades, gerando sentimentos e conexões com seu público, tornando-o fiel. Neste sentido, devolvo a pergunta: VOCÊ TEM DÚVIDAS SOBRE A ESSENCIALIDADE DESSA PROTEÇÃO?

Se você se preocupa com seu patrimônio, tem respeito pelos seus consumidores e quer se destacar da concorrência, É CLARO QUE O SEU NEGÓCIO PRECISA DESSA PROTEÇÃO. É importante salientar que, caso você já tenha um registro, podemos falar em extensão de direito. Caso você ainda não possua, falaremos em expectativas de direito. Ocorre que, o registro não é feito no Metaverso, como muitos pensam. A tradução disso é fazermos a proteção dos produtos ou serviços que você representa para serem executados, produzidos ou comercializados dentro do universo virtual, com moedas virtuais, junto ao INPI, autarquia federal que concede certificação. Os pedidos podem se estender ao Brasil ou mesmo a outros países. Assim, se o seu desejo é dar um passo à frente nesse ambiente promissor, procure por um advogado ESPECIALISTA em propriedade intelectual e solicite uma revisão de seus registros. Só desta forma você poderá criar e se destacar neste mercado!



29 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo